quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Palavra final

Queria a palavra final. Queria o apocalipse.
O fim. E nada mais.

Não queria traduzir. Adivinhar. Pensar. Comparar.
Queria parar.

Erro demais. Sofro mais ainda.
Espero e me frustro. Espio e choro.

Dou amor. Dou atenção. Dou zelo. Fibra por fibra.
É tudo um aborto. Incerto. Disforme. Irreal.

Só no meu imaginário. Não existe.Titubeio. Estremeço.
Perco o compasso. E caio. Sangro.

Fonte inesgotável. Hemorragia que não mata.
Não seca. Funda. Profunda. Sem fundo.

Tudo intocado. Tudo imaculado. Desde o inicio.
Nunca soube prazer.Não viveu. Nem morreu. Não sente. Não vê.

Virgem para o holocausto. Sacerdote que não vem.
Sem carrasco. Sem prece.

Espera inútil. Tempo sem fim.
Não passa. Nem me deixa passar.

Me perco. Não volto. Não vou. Nunca fui.
Principio, mas sem meio. Fim mas sem começo.

É nada.


Jonas

3 comentários:

  1. Nossa, que tristeza... seu sobrinho, du

    ResponderExcluir
  2. Tem dias que é assim, Du.. mas passa...ainda bem que passa...

    abçs tio

    ResponderExcluir
  3. que bom que passa... forte abraço abrupto. du

    ResponderExcluir